Ao avaliar ano de estreia na F1, Stroll diz que merece note entre 8,5 e 10

O novato classifica sua primeira temporada como “forte”, mas assume que “sempre há espaço para melhorias”

 

Pressionado em sua temporada de estreia na Fórmula 1, após vários acidentes o canadense parece ter dado a volta por cima. Depois de pontuar em casa e conquistar um pódio em Baku, Lance Stroll foi diminuindo a distância para o companheiro Felipe Massa e conseguiu reduzir o número de erros.

Por isso, o piloto acredita que o 1º ano no mundial foi bem desempenhado e que apesar das falhas, pode ser definido quase como excelência. “Sempre há espaço para melhorias. Olhando para a temporada, tenho que dizer que houve momentos muito desafiadores. Especialmente no início. Então não dou 10. Eu diria um forte 8,5”, disse Stroll, classificando sua temporada.

O 1º ponto da carreira foi conquistado ao chegar em 9º no GP do Canadá.

Analisando um pouco mais a trajetória inaugural, entendeu que merecia mais 0,5 pontos: “Mas tivemos uma temporada muito boa, marcando muitos pontos. Um 9 também seria bom.”

O jovem sofreu críticas pesadas ao longo de 2017, com muitos afirmando que os potenciais investidores, e não talento, o fizeram garantir o assento na Williams. “Não me concentro no que é dito ou escrito sobre mim.”

Aparentemente ele está focado e não se interessa no que os críticos – como seu compatriota Jacques Villeneuve – têm a dizer. “Eu não leio os jornais ou escuto o que meus detratores dizem. Tem sido importante manter a cabeça fria.”

Lance não passou Felipe Massa em pontos. Mesmo assim, garante que não liga para críticas.

Em sua formação o condutor conseguiu bons resultado, mas a Fórmula 1 ainda é um ambiente novo e a maturidade só é adquirida com o tempo. “Ganhei tudo até a Fórmula 1. Eu provei para mim e para o mundo que posso ganhar corridas e campeonatos”, e acrescentou: “Este é apenas um novo trabalho e um novo campeonato. Preciso me adaptar para crescer.”