Após aposentadoria, Felipe Massa busca “caminho diferente” no automobilismo

Felipe está “pronto para seguir um caminho diferente” depois de confirmar que deixa a Fórmula 1 no fim de 2017

 

O brasileiro já tinha anunciado a saída da categoria em 2016, mas voltou atrás. A aposentadoria surpresa de Nico Rosberg da Mercedes e o acordo de Valtteri Bottas na temporada passada, refletiram em Felipe Massa, que foi seduzido a assumir o lugar do finlandês na Williams para 2017.

Massa admite ter disposição para correr por uma 16ª temporada, já que se sente competitivo o suficiente. Mas entende o atual momento da carreira e não leva “arrependimentos”. “Exatamente um ano atrás, vivi a mesma situação, e de repente a equipe me pediu para voltar. Parte de mim queria continuar porque acho que ainda sou competitivo o suficiente para competir com um carro de F1, e também porque me sinto muito bem com Williams. Mas todas as histórias devem chegar ao fim e da minha parte não tenho arrependimentos.”

“Para mim, foi um verdadeiro privilégio e algo que apreciei muito. Um ano depois estou pronto para seguir um caminho diferente – feliz com o que fiz e com o que conseguimos nesta temporada”, disse em sua coluna no site de automobilismo.

O condutor enxerga possibilidade em outras categorias do esporte, como na Formula E.

Há rumores de que o piloto planeja um futuro na Fórmula E, mas nada foi confirmado e Felipe diz que só decide sobre sua agenda no fim da atual temporada. “Há aqueles que ficarão curiosos para saber onde eu vou competir no próximo ano, mas ainda é muito cedo. Por enquanto, meu foco está em terminar a temporada. Tenho mais dois GPs, o que será importante para mim e para a equipe.”

“Considerarei todas as possibilidades que me foram oferecidas, e depois decidirei. Eu gosto de correr, me sinto competitivo e é isso que quero fazer- continuo recebendo o prazer que sempre tive durante minha carreira”, declarou o condutor com histórico de 11 vitórias, 41 pódios e 16 pole positions.

“Gostaria de aceitar um novo desafio, desde que seja um papel profissional e com boas perspectivas para obter resultados sólidos”, garantiu o brasileiro de 36 anos, que não projeta o fim da carreira.