Atrás de experiência, a Aston recrutou pessoal da Ferrari para progredir no projeto da F1

Ainda avaliando a entrada na F1 como fornecedora, a Aston Martin recrutou pessoal com experiência, incluindo alguns ex-Ferrari

 

A fabricante britânica se tornará o patrocinador do título da Red Bull Racing em 2018 como parte de um relacionamento aprimorado. O chefe da Red Bull, Christian Horner, disse que sua equipe está “absolutamente aberta” para dirigir um motor da Aston Martin caso prossigam o projeto.

A Aston está interessada nas mudanças de regras do motor em 2021, mas o presidente e CEO Andy Palmer disse que os custos precisam ser mantidos sob controle para que o projeto seja viável. “A questão será se o limite na despesa de fazer isso é acessível para uma empresa como a Aston. Essa é a grande diferença entre nós que somos uma pequena empresa e os grandes como Renault ou Mercedes-Benz. Mas tenho certeza de que temos a capacidade técnica.”

“Algumas das pessoas que recrutei recentemente, vindo da Ferrari, significa que tenho a força intelectual para poder desenvolver um motor de Fórmula 1. Elas têm associações com o lado da F1 no passado e também o lado da estrada. Então eu tenho uma mistura interessante agora de capacidades técnicas”, declarou o presidente da aspirante a fornecedora.

Aston busca desenvolvimento técnico para fazer uma boa participação com a RBR.

A empresa tem experiência em trabalhar com outras marcas interessadas em construir um motor de F1 independente, tendo trabalhado com Cosworth e Ricardo. Palmer disse que ambas as opções estão abertas no que diz respeito à produzir um motor de F1 sozinho ou com uma empresa parceira.

O órgão de governo da Fórmula 1, a FIA e os titulares de direitos comerciais, deveriam se reunir na sexta-feira para discutir várias propostas feitas pelos atuais fornecedores de motores prospectivos. Andy  vem à frente da próxima reunião do Grupo Estratégico, onde será discutido o assunto e  está prevista para 7 de novembro.