Com retorno da Renault, volume de negócio no time de Enstone cresceu 52,7% em 2016

Segundo revista,

De acordo com análise de publicação britânica, a escuderia francesa conseguiu terminar o campeonato do ano passado com a diferença adicional de £$ 41,3 milhões (R$ 167,8 milhões) a mais nos cofres do time de Enstone.

 

Nesta quarta-feira (17), a revista britânica ‘Autosport’ analisou a arrecadação de recursos da Renault no campeonato de 2016 de Fórmula 1. O time de Enstone que proporcionou o retorno da montadora francesa como equipe no ano passado, havia terminado o Mundial de Construtores na nona colocação com oito pontos. E também obteve o faturamento financeiro de £$ 119,7 milhões (R$ 486,4 milhões), ou seja, o crescimento de 52,7% no volume de negócios se comparado com o campeonato de 2015 – onde a antiga Lotus conseguiu assegurar £$ 78,4 milhões (R$ 318,6 milhões).

A publicação também explicou que o crescimento de 52,7% no faturamento da Renault no campeonato passado deve-se por conta da chegada de novos patrocinadores, a manutenção de alguns contratos de apoio financeiro e também da contribuição da própria montadora sobre forma de investimento do time de Enstone, injetando assim, a quantidade de £$ 41,3 milhões (R$ 167,8 milhões) para a reestruturação da escuderia.

Segundo revista, somente no seu campeonato de retorno, volume de negócios na Renault cresceu 52,7%

Além disso, a publicação também mencionou outros gastos realizados pela Renault no campeonato passado. Entre eles, podemos destacar que £$ 2 milhões (R$ 8,1 milhões) foram disponibilizados para pagar questões trabalhistas e £$ 12 milhões (R$ 48,7 milhões) para quitar questões burocráticas na compra do time de Enstone.