FIA quer utilizar biometria para obter informações sobre acidentes

Alonso sofreu um grave acidente em Melbourne, mas saiu quase ileso.

Objetivo da Federação é saber batimentos cardíacos entre outros dados ainda durante a ação de resgate

 

A FIA deu um novo passo na análise de acidentes da Fórmula 1 após verificar as imagens obtidas pelas supercâmeras lentas instaladas no carro de Fernando Alonso, que se acidentou a 310 quilômetros por hora no GP da Austrália. O próximo passo deverá ser a implantação de um sistema biométrico, que vai recolher dados do piloto, como batimentos cardíacos, no momento do acidente.

Alonso sofreu um grave acidente em Melbourne.

Alonso sofreu um grave acidente em Melbourne.

“Espero que sejamos capazes de colocar algo em um condutor, antes do final da temporada, pelo menos em um teste. Os dados biométricos nos ajudará a avaliar as condições do piloto antes, no momento do acidente e depois do acidente, na medida em que as operações de resgate estão em ação”, afirmou Laurent Mekies, gerente geral de pesquisa do Instituto Global para Segurança no Esporte a Motor, em entrevista para a revista Auto, da própria FIA.

Além da biometria, a FIA continua estudando a instalação de um dispositivo protetor sobre a cabeça dos condutores.