Honda muito próxima chegar ao nível da Renault, diz Hasegawa

Hasegawa admite que Honda poderia ter atingido o desempenho atual antes

Segundo o chefe esportivo da empresa, sua unidade de potência vem sendo melhorada desde o começo da temporada, dando mais velocidade e confiabilidade ao seu produto

 

Uma das novelas mais dramáticas da temporada de 2017 foi a piora de um relacionamento já complicado entre a McLaren e a Honda. A empresa asiática fornecia motores para a equipe de Woking desde 2015, mas os vários problemas que sua unidade de potência apresentou fizeram a parceria abacar. Não há dúvidas de que todo esse processo fez mal à imagem de ambas, principalmente para a empresa japonesa. Mas agora, segundo o seu chefe esportivo da Honda, seu motor está chegando num patamar igual ao da Renault, empresa que vai substituí-la a partir de 2018.

A Honda falhou bastante no objetivo de se aproximar da Mercedes, Ferrari e Renault desde seu retorno a F1 em 2015. Mas com o passar dessa temporada, seu motor vem melhorando, não só em questões de potência, mas também em confiabilidade, quesito que teve peso especial na saída da McLaren. Desde do GP de Baku, no Azerbaijão, seu motor vem demonstrando melhoras constantes. Hoje, mesmo que a diferença ainda exista, a lacuna que a separava da Renault está desaparecendo. Segundo Hasegawa, o avanço aconteceu por causa da introdução da atualização 3.5 em Spa.

 

Alonso sofreu penalização em Suzuka por alteração no motor

“Desde que introduzimos o mecanismo da especificação 3.5, acho que esse nível de desempenho é muito próximo da Renault. Não posso dizer que é melhor, mas o importante é que a confiabilidade esteja melhorando. Não estamos perto o suficiente [dos rivais], mas a diferença é muito pequena comparada ao ano passado e ao primeiro ano”, disse Yusuke Hasegawa. O planejamento é que a Honda seja capaz de incomodar seus concorrentes já no próximo ano.

Com a penalização que Alonso sofreu no último sábado, no Japão, Hasegawa contou que se sentiu “envergonhado” com o problema que aconteceu na casa da Honda. Logo após o treino da sexta, foi descoberto um vazamento hidráulico no motor do espanhol, e a decisão foi de trocar a unidade inteiramente, ao invés e se tentar consertá-la.

Dessa forma, Alonso sofreu uma dura penalização para a corrida de domingo. Apesar disso, o fato de não se tratar de um problema profundo deixou Yuzuke pensando positivo. “Tivemos um problema na sexta-feira, mas não foi uma questão fundamental. A equipe pode se concentrar nas configurações para o fim de semana, o que é muito positivo”, finaliza o chefe esportivo da Honda.