Horner explica mudança mágica da Red Bull no Japão

Horner

No último domingo, a equipe demonstrou bastante inferioridade durante os treinos e a qualificação mas mandou bem durante a corrida em Suzuka

 

O boxe da Red Bull Racing ficou surpreso quando perceberam que estavam um segundo atrás da Mercedes nos treinos livres  e na qualificação que antecederam o GP de Suzuka, no último domingo. Mas na corrida, a situação mudou bastante. Verstappen, que largou na quarta colocação, chegou a ameaçar Hamilton na parte final da corrida. Segundo Christian Horner, chefe da RBR, a diferença nos classificatórios é normal, graças ao impulso do motor Q3 da escuderia alemã, o que ficou mais evidente devido à uma pista mais sensível à potência nesse ano.

A Red Bull viu Verstappen largar na quarta colocação e no final da corrida, observou seu jovem piloto pressionar o até então intocável Lewis Hamilton. “Acho que corremos da mesma forma que fazemos na qualificação. Acho que esse circuito é bastante sensível [à potência], visto que uma boa porcentagem dele é plano, mesmo com as curvas de velocidade. Então achamos que, se pegarmos uma curva como a 130 R e compará-la com nossos adversários, mesmo sendo plana, nunca nos recuperamos dela como eles fazem. Esse tipo de curva é particularmente dolorosa para nós”, diz Horner.

Boa corrida da Red Bull em Suzuka surpreendeu a quem assistiu a classificação 

Para o chefe da RBR, as curvas de Suzuka fazem com que qualquer deficiência na unidade de potência seja um problema ainda maior para esses carros. Porém, Horner afirma que para as outras equipes, não é tão fácil manter um ritmo desses em todas as curvas em toda a corrida, pois o seu chassi não permite. E parece ser exatamente nesse quesito em que a Red Bull se destaca e consegue tirar a diferença causada pelo motor superior da Mercedes.

“Nós demos na qualificação da melhor parte de um segundo. Enquanto na corrida, o chassi foi forte todo o fim de semana, como podemos ver nas sobreposições de GPS que o chassi está bem. E, obviamente, eles não podem correr nos modos de alta potência durante esse período durante a corrida”, explicou Horner. Sua conclusão parece ser verdadeira, uma vez que Verstappen encostou em Hamilton somente nas últimas voltas de Suzuka.

Ele ainda completou confirmando que apesar do ponto ser positivo, a RBR ainda está atrás das suas principais concorrentes quanto à velocidade. “Considerando que, quanto à potência, é possível ver que Mercedes e Ferrari estão executando mais força traseira do que nós. Eles estão executando um assento de macaco, uma asa traseira mais profunda, e ainda assim sua velocidade é extremamente impressionante”, finaliza o chefe da Red Bull.