Jornalista britânico levanta questão de McLaren também sofrer com nível de confiabilidade da Renault na temporada de 2018

F

Para Andrew Benson, a diferença de potencial do time de Woking deverá valer pelo nível de qualidade do chassi que será sucessor do atual MCL32.

 

Aos poucos, a Fórmula 1 vai se desenhando para a temporada de 2018. De acordo com especulações, a McLaren assinou o acordo de divórcio com a Honda. E deverá disputar o próximo campeonato com motores híbridos Renault. Já a montadora japonesa deverá fornecer seus propulsores para a Scuderia Toro Rosso (STR).

Ainda nesta terça-feira (12), o jornalista da emissora de TV britânica ‘BBC Sports’, Andrew Benson, levantou a discussão sobre a possibilidade da McLaren sofrer com o nível de confiabilidade dos motores Renault. Benson lembrou que falhas na unidade de força francesa têm ocorrido tanto na Red Bull Racing (RBR), como também, na Scuderia Toro Rosso (STR) neste campeonato.

Para jornalista, mesmo com motores Renault, McLaren precisa ter forte chassi para superar Red Bull

Além disso, o jornalista destacou que não existem garantias que a McLaren tenha condições competitivas para superar a Red Bull. E que isto é algo que dependerá da qualidade do chassi sucessor do MCL32.

“Ainda é cedo para prever o desempenho da McLaren com os motores Renault”, afirmou Benson para a emissora de TV britânica ‘BBC Sports’. “Podemos dizer que o nível de competitividade deverá aumentar, mas não o bastante em comparação aos carros que tem motores Ferrari e Mercedes”, opinou.

“Em outras palavras, os motores Honda possuem a mesma limitação dos propulsores Renault, ou seja, a falta de velocidade nas retas. No entanto, este defeito está em grau diferentes nos dois tipos de motores”, argumentou.

“No entanto, o que pode fazer diferença na McLaren é o desenvolvimento do chassi. Mas não temos garantia que estes progressos possa deixa-la à frente da Red Bull”.