Massa atrás de Stroll não é reflexo da realidade, diz Lowe

Felipe Massa e Lance Stroll disputam a sétima colocação

Diretor técnico da Williams afirma que seria injusto com o brasileiro analisá-lo levando em conta somente os pontos somados

 

Com o futuro na F1 ameaçado, Felipe Massa foi ultrapassado pelo seu companheiro de equipe, Lance Stroll, após o jovem conquistar a sexta colocação no GP do México. Apesar disso, Paddy Lowe, diretor técnico da Williams, afirma que julgar o melhor piloto, nesse caso, levando em consideração apenas os pontos conquistados, seria uma injustiça com o único brasileiro na categoria. Massa briga com Robert Kubica, Paul di Resta, Pascal Wehrlein e Daniil Kvyat para a vaga de 2018.

“Eu não acho que devemos nos ater demais aos pontos para sermos justos com Felipe. Ele realmente teve algumas perdas de pontos importantes que não foram causadas por ele. Em Baku, muitas pessoas disseram naquele dia que ele poderia ter vencido a corrida. No caso de Felipe, foi realmente o caso. No México, ele teve um toque na primeira curva, então, mais azar. Felipe teve muito disso e Lance muito menos. Não seria razoável dizer que os pontos refletem a imagem completa”, explicou Paddy Lowe.

Stroll, por sua vez, só conseguiu marcar pontos na categoria na sua sétima corrida na F1. Depois disso, conseguiu pontos em Baku e faturou um pódio na sua terra natal, o Canadá. Já na segunda metade do campeonato, marcou pontos em quatro de sete corrias que já ocorreram desde as férias. “Foi uma temporada que teve bons e maus momentos para Lance. Certamente foi muito melhor no segundo semestre”, disse o Lowe.

Massa segue sem ter noção do seu futuro na F1

“Ele se estabeleceu particularmente bem depois de marcar seus primeiros pontos no Canadá. Em seguida, ele foi para o pódio em Baku. Ele corre muito melhor do que ele se qualifica, e eu acho que as pessoas olham para a classificação como um reflexo da velocidade de um piloto. Isso não reflete Lance como deveria, porque é sua área mais fraca. Ele corre muito melhor do que classifica no momento, mas ainda assim mostrou brilho desse lado com o que ele fez em Monza (largou em segundo). Acho que ele pode ter performances muito melhores com o tempo. Ele está ciente disso e é algo que estamos prestando atenção”, contou o diretor técnico da Williams.

Agora, Felipe Massa segue para Interlagos sem ter seu desejo realizado. O piloto gostaria de correr no GP do Brasil sabendo se essa seria ou não a sua última corrida em casa. No ano passado, quando todos tinham certeza de que ele sairia da categoria em 2017. O brasileiro só escapou por que Nico Rosberg anunciou sua aposentadoria inesperada, e a Mercedes contratou Valtteri Bottas, que corria pela Williams, de última hora. Com a vaga desocupada, a escuderia optou por manter Massa durante mais uma temporada.