“Não vai haver uma revolução na Fórmula 1”, diz Brawn

Brawn revela que Liberty estuda possibilidade de GPs diminuírem de tempo para 1 hora e 40 minutos

O CEO esportivo da F1 explicou que a Liberty Media está estudando possibilidades de modificar o esporte, mas nada tão radical quanto o esperado por alguns fãs.

 

Nesta quinta-feira (17), Ross Brawn revelou que se encontrou com o presidente da MotoGP, Carmelo Ezpeleta, para discutir a troca de conhecimentos entre as duas categorias e estratégias para evitar o choque de datas nas etapas das duas séries. E ainda nesta quinta, Brawn também comentou sobre as mudanças programadas pela Liberty Media na principal categoria do automobilismo mundial. Diferente do esperado, o CEO esportivo da F1 prometeu mudanças, mas não tão radicais para a principal categoria do automobilismo mundial.

“Não vai haver uma revolução na Fórmula 1”, afirmou Brawn em entrevista para a agência de notícias ‘Reuters’. “Não vamos realizar uma grande mudança e tudo vai ficar melhor”, continuou. “Vai ser um processo constante”, descreveu.

Brawn revela que Liberty estuda possibilidade de GPs diminuírem de tempo para 1 hora e 40 minutos

“Até que tenhamos a capacidade de realmente entender a direção em que o esporte deverá mudar, nós não vamos fazer grandes mudanças. Isso é muito arriscado”, explicou.

Brawn também comentou sobre a possibilidade da Liberty oferecer o formato menor do tempo de corrida, que neste campeonato tem a média de duas horas. “Com a tecnologia moderna, acho que podemos empacotar o esporte de qualquer maneira para os nossos fãs assistir”, respondeu.

“Estamos analisando algumas propostas. E talvez, tenhamos que apresentar o formato de corrida um pouco mais curto. Talvez, com uma hora e 40 ou mesmo uma hora e 45 por etapa”.