Pérez usa o silêncio e resultados em protesto contra a McLaren

Segundo a imprensa alemã, Pérez não quer mais falar sobre o seu desligamento da McLaren para a temporada de 2014

Procurado por uma publicação alemã, o piloto mexicano afirmou que não quer mais conversar sobre o seu desligamento no time de Woking.

 

De acordo com a revista alemã ‘Auto Motor und Sport’, Sergio Pérez está usando o silêncio e os resultados obtidos nas últimas corridas como protesto contra a sua não renovação com a McLaren para a temporada de 2014. Segundo a publicação, o piloto mexicano que foi substituído por Kevin Magnussen se negou dar entrevistas sobre o seu desligamento com o time de Woking para o próximo ano.

Segundo a imprensa alemã, Pérez não quer mais falar sobre o seu desligamento da McLaren para a temporada de 2014

Segundo a imprensa alemã, Pérez não quer mais falar sobre o seu desligamento da McLaren para a temporada de 2014

“As palavras de Pérez se tornam em bom som. O piloto mexicano superou em Austin pela terceira vez o seu companheiro de equipe, Jenson Button. Tentamos entrar em contato com Pérez, mas ele afirmou que não gostaria mais de conversar sobre esse assunto”, afirmou a publicação.

Em contrapartida a mesma revista entrevistou o chefe de equipe da McLaren, Martin Whitmarsh, que opinou sobre a saída de Pérez para a temporada de 2014. “Você tem que entender: Pérez sai e Button fica! A equipe considera que a temporada de 2014 vai ser de transição. A Honda vai chegar em 2015 junto com novos pilotos e possibilidades”, afirmou Whitmarsh.

O chefe de equipe da McLaren ainda destacou que o time de Woking analisou as últimas corridas de Pérez e sentiu uma evolução na sua forma de pilotagem. “De alguma forma em Austin, podemos admitir que a McLaren ficou com a consciência pesada. Todos elogiaram o trabalho dele com o sétimo lugar. Mas a questão já tinha sido resolvida a semanas atrás”, complementou.

Por fim, a revista alemã afirmou que Pérez sondou a Force India e a Lotus. Segundo a publicação, o piloto mexicano dispõe do valor de €$ 25 milhões (R$ 76,4 milhões) de patrocínio da empresa Aztec, pertencente ao homem mais rico do mundo, Carlos Slim.