Punição de Max Verstappen em Austin gera revolta contra a FIA

Verstappen garante permanência na RBR até o final de 2018

O tri-campeão mundial, Niki Lauda, e Jos Verstappen, ex-piloto e pai do condutor penalizado, não pouparam críticas aos comissários

 

Após ultrapassar Kimi Raikkonen por fora da pista na curva 17 da última volta, no GP de Austin, Max Verstappen foi penalizado em cinco segundos ao  término da corrida. A decisão dos comissários o fez cair uma posição, finalizando a etapa na quarta colocação. Quando soube da punição, o ex-piloto e tri-campeão mundial, Niki Lauda, fez críticas ferrenhas ao ocorrido. Jos Verstappen, também ex-piloto e pai de Max, afirma que o julgamento foi injusto e tendencioso, dizendo que a FIA protegeu a Ferrari.

“Esta foi a pior decisão que já vi. Ele [Verstappen] não fez nada de errado. Somos pilotos de corrida, não estamos em uma estrada normal. É ridículo destruir o esporte com esse tipo de decisão. Os comissários nos questionaram quão rápido eles poderiam ser em uma situação que estava ‘sob investigação’, então nos queixamos sobre isso. Os comissários estavam lá, [Jean] Todt perguntou a todos, Charlie [Whiting] estava lá, estávamos lá, e concordamos todos juntos que, a menos que seja perigoso, os comissários não interfeririam. Foi no início do ano passado”, contou o experiente Niki Lauda.

Lauda, crítico como sempre, não esconde sua insatisfação

Para o tri-campeão mundial, a decisão dos comissários em Austin tem que ser debatida posteriormente, no encontro do Grupo de Estratégia. “Não havia nada para interferir, foi uma ultrapassagem normal. Charlie argumenta que há linhas brancas e que você não pode passar por elas. Por que você não pode passar nas linhas brancas se for possível? Construa um muro lá então. Enquanto houver um circuito normal, você pode usá-la. Uma linha branca não é um limite. Concordamos com isso tudo no ano passado, tudo estava de acordo. E agora tomamos essa decisão. Acho que é completamente errado”, completou Lauda.

Jos Verstappen, ex-piloto e pai de Max, fez críticas ainda mais ácidas. “Isso é uma merda. Desculpe, isso é horrível.”, comentou nas redes sociais. Mais tarde, ele escreveu: “Que vergonha, FIA. Obviamente, a F1 não sabe nada de corridas. Somente Max recebeu uma penalidade por cruzar as linhas. Ninguém mais fez isso o fim de semana todo.” No seu Twitter, Jos publicou uma imagem na qual afirma que o significado da sigla “FIA”, na verdade é “Ferrari Internacional Assistance (Assistência Internacional da Ferrari)”, ao invés de Federation Internationale de l’Automobile (Federação Internacional do Automobilismo).

.

 

A revolta consiste no fato de que, caso a penalização não acontecesse, Max Verstappen terminaria em terceiro, na frente de Kimi Raikkonen, da Ferrari. Muitos criticaram que a FIA não penalizou outros condutores que fizeram a mesma coisa durante a corrida, ou até deixou de penalizar condutores da Ferrari em ocasiões que claramente mereciam tal atitude. Quando ocorreu o icônico acidente em Singapura, Jacques Villeneuve, ex-piloto da categoria, afirmou que Vettel era o único culpado pelo acontecimento, e questionou a FIA por não tomar nenhuma ação. A Federação afirmou que não pôde culpar ninguém pelas colisões que tiraram Vettel, Raikkonen, Verstappen e até Alonso da corrida, e que por isso nenhuma atitude foi tomada.