Renault pretende usar novo MGU-K no GP da Rússia

Hulkenberg terminou em 11º na Austrália

Unidade geradora de energia cinética requer alterações para se tornar mais leve

 

As preocupações sobre a nova unidade geradora de energia cinética (MGU-K) fizeram a Renault adotar uma estratégia sem riscos neste início de temporada. Com o ganho de peso dos novos carros da F1, a peça precisa passar por uma reestruturação para se tornar mais leve, fazendo com que a fabricante francesa optasse por utilizá-la apenas na Rússia, quarta corrida do ano.

O MGU-K é uma peça importante na recuperação de energia do carro. Durante a freada, usa-se o movimento de seu mecanismo para gerar energia elétrica e recarregar sua fonte de alimentação, assim, a peça recupera a energia dissipada e a armazena na bateria.

Renault espera contar com novo MGU-K no GP da Rússia

Com a mais recente geração de carros da F1 já no limite de peso, volume extra não é ideal. Assim, a Renault resolveu estudar mais afundo para conseguir produzir um MGU-K compatível com as exigências de 2017 e, embora não tenha especificado uma data precisa para a apresentação da peça, o site da motorsport.com considera que o uso será feito a partir do GP da Rússia.

“Como você sabe, o poder do MGU-K é governado por regulamento – 120 KW -, então não é como se pudéssemos mudar isso. No entanto, há peso e condições de resfriamento que podemos mudar”, disse o diretor executivo da Renault Cyril Abiteboul.

Abiteboul finalizou: “Temos a possibilidade de mistura no motor, então, não estamos estagnados no que temos. Vamos trazer o novo MGU-K o mais rápido possível”.