Williams traz amplo pacote aerodinâmico para testes no circuito de Hungaroring

Stroll

O time de Grove trouxe novos bicos, asas dianteira e traseira e mais peças de chassi para ser testadas no FW40.

 

A Williams praticamente redesenhou a aerodinâmica do FW40 para participar dos testes pós-GP da Hungria, sessões estas agendadas para acontecer nesta terça-feira (1º) e na quarta (2) no circuito de Hungaroring. Para estas baterias, o time de Grove trouxe novas asas dianteiras e traseiras, bico, assoalho e itens de chassi.

Segundo Paddy Lowe, essas novas peças devem ser utilizadas pela Williams para os GPs da Bélgica e da Itália. Elas foram desenvolvidas para pistas rápidas como Spa-Francorchamps e Monza. “Há alguns bits bastante significativos que estamos testando”, afirmou o diretor-técnico do time de Grove para a revista britânica ‘Autosport’.

Williams testou uma série de novas peças aerodinâmicas no FW40

“Estamos fazendo alguns testes interessantes com estes bits, no estilo P&D. Alguns são bem relevantes para este ano. Já outros devem ficar no carro do ano que vem. Há um trabalho importante acontecendo na verdade”, argumentou.

“É um conjunto de experimentos. E essa é a melhor maneira de coloca-los em prática. É assim como estamos realizando os testes. Onde isso nos deixa em termos de corrida. Isso é algo bastante relevante”, complementou.

Lowe também prometeu deixar o FW40 mais forte para a segunda parte da temporada 2017 de Fórmula 1. Ele não descartou a possibilidade da Williams tentar brigar pelo quarto lugar do Mundial de Construtores, que agora está nas mãos da Force India.

“Acabei de dizer aos caras para ter boas férias, pois irei deixar o carro ainda mais rápido”, respondeu. “Eu acho que essa é a maneira melhor de resumir: temos muito trabalho a fazer. E precisamos ser melhores do que isso. E podemos ser melhores do que isso”, continuou.

Lowe promete deixar FW40 ainda mais competitivo para segunda parte do campeonato

“Então é isso que vamos sair e fazer. Há um padrão bastante claro sobre como podemos trabalhar para aprimorar ainda mais a nossa máquina. Seria algo como pacotes especiais para circuitos como Mônaco, Hungria e Cingapura”, exemplificou.

“Mas eu nunca vou desistir até chegar em Cingapura. E isso é muito do aspecto fundamental sobre como poderemos trabalhar. E muito disso dependerá do designer em que estamos trabalhando para este ano”, disse.

“Então, eu acho podemos ser mais fortes neste ano.  Espero que possamos realmente. Apontaremos para o nível de exploração de pontos maior do que tivemos no primeiro semestre. Então essa é a nossa mentalidade. Queremos alcançar mais uma posição. Para isso, é necessário pontuar”, encerrou.

Sobre a Williams, a escuderia de Grove está ocupando a quinta colocação do Mundial de Construtores da temporada de 2017 com 41 pontos, 60 a menos que a Force India que é a quarta colocada com 101.