Lowe diz que Williams já é mais forte do que a Mercedes em algumas áreas

Lowe

Dirigente exaltou a escuderia de Grove e mostrou motivação para fazer com que o time volte a brigar pelas primeiras posições.

 

Com pouco tempo de trabalho, Paddy Lowe já identificou que a Williams tem pontos muito fortes que ele não encontrava, por exemplo, na sua ex-escuderia, a atual tricampeã Mercedes. Por outro lado, o dirigente sabe que a sua influência no desenvolvimento da equipe só será sentida a médio e longo prazo.

Contratado pela Williams, Lowe começou o seu trabalho como diretor-técnico na semana passada. No entanto, Paddy não é simplesmente um novato dentro da equipe, já que iniciou a sua carreira na Fórmula 1 no time inglês, trabalhando lá até o início dos anos 90.

Lowe deixou a Mercedes e retornou a Williams após mais de 20 anos.

Em entrevista concedida ao site da revista britânica ‘Autosport’, Lowe minimizou a possibilidade de sua chegada ter um  impacto imediato no desempenho da equipe. Segundo ele, o seu trabalho no momento é conhecer bem como tem sido o desenvolvimento em Grove. Entretanto, garantiu que a equipe tem uma grande estrutura e chega a ser mais forte do que a tricampeã Mercedes em algumas áreas.

“A primeira etapa é conhecer a equipe e ver como posso agregar valor”, disse. “O desafio é saber como fazer o melhor com o que você tem disponível e ter os melhores ganhos”, continuou.

“Isso não seria diferente se você estivesse trabalhando em outra equipe, ou o que temos aqui. O processo é o mesmo e já há, indubitavelmente, coisas aqui na Williams que são muito melhores do que na Mercedes. Eu tenho que ver quais são os pontos fortes e quais são as lacunas e, em seguida, trabalhar nelas”, completou.

Sobre o seu retorno a equipe depois de muitos anos, Lowe destacou o lado emotivo da situação, mas ressaltou que isso não pode prejudicar o trabalho. “Foi um momento emotivo ao voltar – são quase 30 anos desde que comecei na Williams no final de 87 e é muito, muito especial voltar e assumir a posição do meu antigo chefe, o Patrick [Head, ex-diretor-técnico da Williams].”

“Ao mesmo tempo, não podemos ficar só no lado sentimental, temos que seguir em frente e não ficar contando histórias antigas”, ressaltou. “Estou muito animado com o futuro, e já estou muito feliz com o que eu vi e como podemos evoluir”, finalizou.