“O potencial da Ferrari será visto após o terceiro ou quarto GP”, diz Vettel

Vettel

O condutor da Ferrari afirmou que não tem certeza de vitória para os GPs da Austrália, China, Bahrein e Rússia.

 

A temporada de 2017 de Fórmula 1 está prestes a começar. A primeira corrida, ou seja, o GP da Austrália deve ocorrer daqui a quase uma semana – no dia 26 de março – no circuito de Melbourne, em Albert Park. E nesta sexta-feira (17), Sebastian Vettel comentou sobre suas perspectivas sobre o desempenho da Ferrari para as primeiras corridas do próximo campeonato.

De acordo com Vettel, apesar de ter dividido o topo da tabela de tempos com a Mercedes na pré-temporada de Barcelona, a Ferrari não deverá ser considerada como favorita no início do próximo campeonato. Mas, sim, a partir do GP da Rússia, onde deverá mostrar o verdadeiro potencial do SF70H.

Vettel revela que potencial da Ferrari deverá aparecer no curto prazo de quatro corridas

“O potencial da Ferrari só será visto após o terceiro ou quarto GP”, afirmou Vettel em entrevista para a revista alemã ‘Sport Bild’. “Mesmo sabendo que o importante na F1 é ganhar, há três anos que o verdadeiro potencial da nossa equipe é apresentado bem depois das quatro primeiras provas do ano”, destacou.

“Eu mesmo tenho um grande sentimento com a equipe para este ano. Temos um grande carro. E o nosso trabalho durante os testes de inverno foram realmente encorajadores. Mas, o nosso objetivo ainda permanece o mesmo. Temos que desenvolver o potencial do nosso carro. E para isso precisaremos desse tempo [de três GPs]”, argumentou.

Vettel também foi questionado se essa perspectiva apresentada sobre o verdadeiro potencial do SF70H pode atrapalhar as pretensões da Ferrari para o campeonato de 2017. O condutor alemão reafirmou que o objetivo do time de Maranello é conseguir desenvolver o bólido vermelho. Mas, que a sua meta é tentar lutar pelo título do Mundial de Pilotos.

“Claro que queremos ganhar campeonatos. Mas, a equipe admite que neste ano, temos que tomar uma postura mais cautelosa”, afirmou. “Os testes [da pré-temporada] nos deram uma ideia sobre onde estamos em comparação aos nossos rivais. E a meta é desenvolver o nosso carro”, afirmou. “Mas, eu ainda quero ganhar um campeonato mundial. Caso contrário não estaria correndo na F1”.